26 de julho de 2012

Buenos Aires

Fevereiro de 2012.

No meu primeiro ano como Au Pair nos Estados Unidos (lá em 2008), eu conheci a Maggie, a única argentina que mora no meu coração. Sem ofensas, aos hermanos. Desde o instante que eu soube que a Maggie era de Buenos Aires, eu disse que iria visitá-la. Afinal, é um pulo de Porto Alegre.

A Maggie foi embora dos EUA em 2009, eu fiquei até 2010, já era 2012, eu estava prestes a voltar para a terra do Tio Sam e nada de visitar a Maggie na Argentina.

No dia que deixei o Jared no aeroporto, abri a minha mala já em casa e dei de cara com um envolope com uma carta e 500 dólares dentro! (!!!) Liguei para o Jared e perguntei: que é isso? Porque tu me deixou todo esse dinheiro?

Ele respondeu que eu disse (em algum momento) que eu era pobre; e como agora sou a futura esposa dele, ele não quer eu me sinta pobre. Hahaha, pode rir gente. Ele é muito fofura. Eu tentei explicar que o povo tem mania de dizer que é pobre. Eu pelo menos. Que é uma expressão para dizer que não somos ricos, milionários. Mas que, necessariamente, não quer dizer que somos pobres, pobres. É aquele velho drama da classe média frustrada. Mal ou bem, eu tinha minhas reservinhas.

De qualquer forma, ele não quis o dinheiro de volta. Aí em fevereiro, eu tive um desejo! Não era gravidez. Era Argentina. Eu queria ir para Argentina. Era um respiro não ter que abrir mão de ir visitar a Maggie um dia. O dia tinha chegado.

Perguntei pra ele, se ele se importaria se eu usasse o dinheiro para ir para Buenos Aires. Afinal de contas, eu preferia ser uma pobre viajada do que ter dinheiro no banco. Ele disse que eu podia fazer o que quisesse, que o dinheiro era meu. Dito isso, comprei meu voo pro final do mês de fevereiro. E ainda arrastei uma amiga muito querida junto comigo, a dona Léli, que tá sempre aqui no blog de uma maneira ou outra.

Chegamos na casa da Maggie numa quarta-feira de noite e ficamos até segunda-feira. Foi uma delícia reencontrar a Margarita depois de tanto tempo. A confirmação de que amigos são as melhores sementes para se plantar nessa vida. Passa o tempo e eles sempre reaparecem em nossas vidas seja com flores, frutos ou sombra.

Foram cinco dias peregrinando pelas ruas da Capital Federal. Desde o alternativo bairro Belgrano até o badalado Puerto Madero, entre ruas largas e estreitas, 9 de Julio e Calle Florida, do Caminito à Recoleta, sem esquecer da charmosa Plaza San Telmo. Cinco dias de inglês, português e espanhol e da língua resultante da mistura aleatória das três. Cinco dias, de bate-papo e bate perna em ruas, bares e parques. Cinco dias de amizade, cultura e ar fresco. Cinco dias de Evita.















Apesar do voo de volta atrasado, de uma noite mal dormida no saguão do Salgado Filho e de uma mala quebrada, Buenos Aires foi um sonho realizado. Um sonho bobo. Se é que existem sonhos bobos. E também uma bela recarregada de energias. Eu ainda era dona do meu nariz. O fato de estar noiva, não me impedia de ir pra China sozinha, se eu bem quisesse. Que mulher difícil!

Parece meio óbvio, mas, mesmo que inconsciente, foi  bom provar para mim mesma que eu continuo em pleno poder da minha individualidade. 
Afinal de contas, assumir um compromisso tão sério com alguém não me excluia nada e, sim, me acrescentava ele. Quem sabe uma dia não vamos à China juntos? Bem melhor.

6 comentários:

  1. Fabiana, que legal seu blog, menina! Tô adorando. Vou vir te visitar sempre.
    Um beijo, Tacia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Tacia!! Fico muito feliz. Volta sempre mesmo!!
      Beijão.

      Excluir
  2. hahah Tacinha te achou!! haha
    Vim correndo ver o post quando voce postou lah na comunidade. Menina que delicia de viagem!!! Eu sempre tive vontade de conhecer a Argentina mas nunca me planejei pra isso... era uma daquelas coisas que a gente leva for granted sabe? Tava perto e sempre deixava pra depois. Hoje me arrependo. Que bom que gostou e se divertiu.
    Ah, eu tb tenho mania de dizer que "sou pobre" haha.
    Gostoso mesmo eh poder reencontrar com as amigas neh? Amizades do tempo de au pair sao tao especiais, como sinto falta das minhas amigas. Tem um que vejo quando vou ao Brasil (ela voltou depois do programa), e tb jah veio me visitar uma vez. Mas ainda falta eu visitar as outras que estao na Europa (isso vai demorar, porque sou pobre ainda, haha). Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obaaaa Nani!!! Tbm dei um espiadinha lá no seu blog!! :)
      É bem isso, a gente take it for granted!! Mas aí me dei conta que morando nos EUA, ia ser muito difícil ir para lá. Afinal agora as férias são para ir pro Brasil. Quem sabe um dia para Europa tbm! Depois que a gente pega o gosto por viajar é difícil parar. Pena que a gente é pobre!! hahaha
      Beijão, muito obrigada pelo comentário!!

      Excluir
  3. Que delícia relembrar momentos que foram tão especiais para nós três!! Entre acertos e tropeços, uma verdadeira e divertidíssima imersão nas línguas inglesa e espanhola =P
    Inesquecível!!!

    "amigos são as melhores sementes para se plantar nessa vida"

    AMO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E tu foi uma das minhas melhores sementes!! Sabe-se lá em qual das vidas que eu te plantei :P amo.

      Excluir