21 de junho de 2013

o país que merecemos

Hoje em dia.

Peço licença a vocês para um outro desabafo. Acho que nada faz muito sentido e tudo fica pequeno diante das imensas manifestações que se espalharam por todo o Brasil e pelo mundo. Por isso, sinto uma urgência em me expressar humildemente sobre o assunto. Não sou socióloga política e tenho só um pouquinho de noção para saber que muitas interpretações desse ato fogem do meu conhecimento. 

Tenho devorado muitos artigos na  Internet sobre o assunto e se o movimento está sendo apropriado pela direita, mas começou na esquerda, se é apartidário, anti-partidário, totalitário, não sei o que dizer para vocês. Tenho os meus achismos do que tudo isso deveria ser (idealmente), mas não quero levar ovo através da tela do computador. Então vou me conter.

O que começou com um movimento estudantil virou milhões de pessoas nas ruas por tudo aquilo que temos direito. As causas dos protestos se perderam. São tantas que não cabem nos cartazes. Os 20 centavos viraram a revolta de um povo que (SIM) não tem o que merece e é sobre isso que eu quero falar.

Diante do vandalismo, que tira o foco das reais manifestações, e do oportunismo de grupos mal-intencionados, ou de pessoas mal intencionadas e/ou vaidosas, quero que fique claro, para aqueles que afirmam que o povo brasileiro é burro e que tem o governo que merece que não somos burros e não temos o governo que merecemos. 

Os brasileiros gostam de falar mal dos brasileiros. Como se engrandecessem ao dizer que está tudo errado mesmo, não tem jeito, o povo brasileiro não tem educação, é desonesto, vive furando fila, vendendo voto e levando a vida no jeitinho brasileiro. Você não faz parte do povo brasileiro? 

Se você pega um bebê americano e um bebê brasileiro, qual deles é mais educado? As pessoas são um reflexo de experiências e comportamentos ao quais foram expostas durante a vida. Simples como 1+1. O povo brasileiro não é geneticamente mal educado. Não temos a educação que merecemos. 

Sem educação, não somos competitivos no mercado feroz de trabalho. Não temos chance. A falta de educação que faz um sujeito jogar papel no chão é a mesma falta de educação que faz um sujeito sem base familiar, estrutura social, condições dignas de vida, virar bandido. Não que se justifique, mas é com certeza a raiz do problema e vocês sabem disso. A gente sabe disso. Por causa dessa falta de educação, não temos as ruas limpas que merecemos. Sem sujeira, nem sangue.

Somos frutos de um país onde o governo presta um desserviço à população. Pagamos impostos e mais impostos e não recebemos nada em troca. Não sobra nem um troco. Somos roubados todos os dias pelo próprio governo ou pelos filhos da falta de educação. Assassinamos o português e somos assassinados à mão armada. Não temos a segurança que merecemos.

A sistema de saúde do Brasil está doente. O senso de justiça é precário. A frase a justiça tarda mas não falha ganhou outras dimensões no nosso país. Furamos a fila, porque as filas são grandes demais. Furamos a fila por sobrevivência tantas vezes, que virou hábito. Não temos a agilidade que merecemos. Muito menos a saúde que merecemos. Ou o sistema judiciário que merecemos.

Quanto aos desonestos, vocês acham que não existem pessoas mau caráteres em outras sociedades? Sim, em todo pomar tem laranja podre. A diferença é que o brasileiro para soar intelectual e de certa formar se excluir dessa população tarjada de desonesta aponta essas laranjas podres, faz suco e serve para o mundo inteiro beber. Não merecemos a imagem que temos de nós mesmos.

Enquanto os outros povos se fazem representados pelos seus melhores cidadãos e se exaltam, a gente mete porrada no nosso próprio povo e deixamos essas pessoas desonestas (por n motivos) serem o rótulo da nossa sociedade. Não temos a estampa que merecemos.

Cada vez que uma pessoa no conforto da sua sala de estar abre a boca para falar mal do jeitinho brasileiro, essa pessoa reforça uma afirmação que não, digo NÃO, representa 197 milhões de pessoas. Não somos todos desonestos. Não merecemos essa tarja.

Essas atitudes depreciativas não ajudam ninguém. Pelo contrário, abaixam a nossa auto-estima como nação, nos desintegram, nos enfraquecem. colocam um ponto de visto distorcido nas futuras gerações. Por isso, dobre a sua língua para falar do seu povo. Não merecemos perpetuar essa cultura.

Somos um povo que luta contra a maré desde que se conhece por gente. Um povo que luta contra o próprio povo, seja uma luta de classes, raças. religião ou preferencia sexual. Precisamos parar de nos atacarmos. Não merecemos essa guerra social.

Quem sabe um dia, o Brasil fique todo do jeitinho brasileiro. O jeitinho certo, o jeitinho que a nossa gente de bem quer. O jeitinho que deveria ser. Para que esse dia, chegue logo, peço a todos os brasileiros honestos que vão para as ruas se representarem. Não merecemos os representantes que temos.

Se recusem a ser um esteriótipo. Se recusem a serem representados pelos desonestos, pelos mal educados, pelos vândalos das ruas ou pelos os imperadores dos sofás. Não merecemos o país que temos. Merecemos muito mais. 


Ps: Só não escutem a nova música do Latino, porque dá mesmo vontade de mudar de pátria. 

4 comentários:

  1. Eu nunca imaginei que eu veria uma mobilização nacional dessa magnitude. Sim, sempre foi o sonho da maioria dos brasileiros, que um dia o povo acordasse pra tanta corrupção, saúde precária, educação precária, coisas que a gente vê todo dia, mas que era como se estivéssemos acostumados à elas, inertes. Mas essa "revolução", por assim dizer, sempre uma ideia utópica do tipo "ah, talvez daqui uns 100 anos o país mude". Não estou dizendo que agora é a hora em que centenas de anos de história corrupta vão virar de pernas pro ar, mas estou dizendo que espero que seja. Aqueles 20 centavos foram como um tapa na cara. E dos fortes. Começou aqui em POA, o pessoal foi pra rua. Achei lindo. Então começou nos outros estados, e do dia pra noite explodiu. O país inteiro gritando, querendo ter sua voz ouvida, até minha pequena Itaqui, quem diria. Realmente, eu estou tão chocada, confusa e maravilhada quanto tu. É como se aquela esperança que lá dentro, bem no fundo, que sempre tivemos tivesse sido renovada!

    "Quem sabe um dia, o Brasil fique todo do jeitinho brasileiro. O jeitinho certo, o jeitinho que a nossa gente de bem quer." Como tu bem colocastes, acho que é por isso que se está lutando. A população é obrigada todos os dias a utilizar de meios, "jeitinho", pra sobreviver, porque o ônibus/trem está superlotado, o hospital está superlotada, as escolas...O jeitinho não é o problema! O problema é que nós não deveríamos ter que nos utilizarmos desses subterfúgios se toda essa carga absurda de impostos fosse revertida para a população, especialmente no quesito educação. Os governo brasileiro sabe que quanto melhor educação o povo tiver, mas reivindicação em todas as áreas serão feitas para uma melhor qualidade de vida. Profissionais essenciais como professores, policiais, médicos não recebem o mínimo reconhecimento enquanto Juiz ganha auxílio-moradia além dos salários de 20 mil reais, além, é claro, de auxílio-alimentação, e todos os outros votados secretamente!
    É realmente um cenário distorcido. E é por tudo isso que se luta, e mais! Eu senti esse descaso quinta-feira quando várias pessoas foram liberadas mais cedo de seus trabalhos aqui em Porto Alegre por causa dos protestos, porque talvez o trem e os ônibus parassem de funcionar, e na estação que eu estava, com no mínimo umas 200 pessoas esperando o trem e nenhuma conseguir entrar porque não tinha espaço! Realmente, quase não temos motivos para protestar, hein, governantes!
    Não sei o que esperar daqui pra frente, mas espero que não pare. É esse o momento, não podemos deixá-lo passar.
    Enfim, acho que acabei desabafando um pouquinho também. Eu concordo completamente com o texto, perfeita escolha de palavras! Pausa de blog romântico para blog político haha, ADOREI!
    Ansiosa por quinta/sexta (sem pressão xD)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Annita! Tu entrou em todos os pontos especificos da questão e eu concordo com tudo! A gente merece muito mais do que tem e o meu desabafo foi pq fiquei muito braba qd em um momento tao historico e bonito do pais, as pessoas tem coragem de diminuir o seu proprio povo. Eh por ISSO que nao vamos pra frente.

      É isso mesmo, a gente precisa dar jeitinho. Pq sera que nao existe jeitinho americano? Pq aqui as pessoas sao mais donas dos seus direitos, simples assim. Nao se precisa dar jeitinhos!!

      Nao podemos deixar passar mesmo, acho que pelo menos o debate politico foi levantado e incluido na agenda de assuntos da populacao. Vamos falar sobre politica. Vamos falar sobre religiao. Vamos falar sobre futebol so ponto de vista critico. Vamos falar! E vamos pra rua! Encantado tbm fez protesto! Que nem Itaqui hehehe somos muito fortes.

      Obrigada pela colabiracao com o texto! Quinta/sexta tem mais historinha :) beijokas

      Excluir
  2. Fabi concordo com tudo mas não estou apta pra discutir política....rs. Só sei q achei td isso mto lindo, foi emocionante ver as pessoas nas ruas, de crianças a idosos, todos cantando o hino. O hino é uma coisa q me emociona, é a parte dos jogos de futebol q eu mais gosto, foi emocionante na Copa das Confederações. Mas espero que td isso não pare, se não, de q valeu?
    Aqui em Caraguatatuba, litoral norte de SP, a população tb foi às ruas.

    E como td isso repercutiu por aí? Como os americanos viram td oq se passou (e passa) por aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm achei muito lindo, acho que descobrimos que estamos vivos e que sommos fortes! Acho que so em levantar o debate politico ja foi excelente, aos pouquinhos chegamos la. Aqui repercutiu um pouco, nada exagerado. Acho que a maioria achou uma luta justa, pelo menos os americanos que eu conversei sobre o assunto. Eles sao um poco que luta muito pelos direitos deles, entao acharam bom que o Brasil tava fazendo o mesmo. :) Ate que enfim!!

      Excluir