24 de outubro de 2013

sobre ele

Um dia, eu prometi que ia escrever um post inteirinho sobre o Jared. Chegou o dia. É difícil colocar em palavras tudo que ele representa para mim sem ficar parecendo aquelas adolescentes chatas. Se o estômago de vocês é sensível à melação, parem de ler aqui.

Esse blog foi sempre para mim e sobre mim. Os sentimentos e personalidade do Jared quando apareceram aqui foi através do meu ponto de vista, em conjunto ou contraste com os meus sentimentos. Nunca escrevi sobre ele e tão só ele.

O Jared nasceu no dia 4 de agosto de 1986. Na capital do estado da Nebraska. No meio do país. O lugar de onde ele vem, define muito quem ele é. As pessoas lá tem um coração enorme e só indo para Lincoln para saber.

Desde o comecinho dessa história toda, ele sempre disse que eu ia ser dele. No sentido figurado, é claro. Não vou entrar nesse mérito, obviamente, mas acho que o fato de eu ser tão dona do meu nariz, foi o que mais motivou a ele a querer " me ter".  Eu, por também ser um pouco teimosa, me identifiquei com a teimosia dele e acabei querendo que ele "me tivesse". Sim, porque no começo, foi tudo teimosia da parte dele. Homem teimoso demais.

Ele queria ficar comigo custe o custasse. E não falo isso para me gabar. Não me levem a mal. Em muitos momentos, eu quis que ele não me quisesse mais. Não seria o primeiro. Talvez nem o último. No entanto, mais do que querer, ele estava determinado a passar o resto da vida comigo. Não tinha jeito. 

Determinação é sempre a primeira coisa que eu penso, quando eu penso no Jared. Depois vem trabalho, dedicação, simplicidade e diversão. Ele trabalha mais do que todo mundo que eu já conheci na vida. Ele trabalha demais. Esse trabalho todo e tão somente essa dedicação, levou ele ao cargo de vice-presidente da empresa. Dedicação que ele também tem comigo e com o nosso relacionamento.

O Jared tem orgulho, mas não é orgulhoso e quando eu falo trabalho, eu falo trabalho intelectual e braçal. Ele não tem medo de meter a mão na massa. Não tem frescura. E aí, entra a simplicidade. 

Ele é simples, fácil e descomplicado. Ele é seguro. Seguro o suficiente para me pedir desculpa, mesmo quando ele não está errado. Não por ser babaca, mas por ser uma pessoa muito melhor que eu, que joga tanto tempo fora remoendo as coisas, enquanto ele vive.

Ele vive e me ensina a viver. Não custa muito para gente ser feliz. A gente faz uma jantinha qualquer e fica tudo gourmet, porque a gente faz junto, com carinho e diversão. Essa é a outra coisa que define o meu Jared. Bom humor. A gente ri um do outro e a gente chora de rir junto. As pessoas sempre dizem que a gente deve casar com quem nos faz rir. Eu não só concordo, como aceitei o conselho e estou prestes a aceitar de novo.

Nem tudo são flores e nunca foi minha intenção criar uma imagem ilusória de nós dois. Acho que vocês sabem disso. A gente briga sim, mais do que deveria. A gente se implica. A gente quase fica de mal, mas nunca dura.

Às vezes eu dou o braço a torcer, às vezes ele. A gente é flexível. Exercitamos flexibilidade todos os dias. E vamos para a academia juntos. Vamos escalar juntos. Vamos no supermercado juntos. E no shopping. Eu não sei mais comprar roupas sem o Jared. Critiquem-me. Eu não gosto de comprar roupas sem o Jared. 

O Jared pinta e dá banho de creme no meu cabelo. Eu dobro as cuecas dele e separo as camisetas por cor. E isso não faz nenhum de nós dois menos homem ou menos mulher. Fazemos um para o outro. E pronto.

A gente faz as contas da casa juntos. Dorme e acorda junto. Toma banho junto. Sai para jantar, para dançar e vamos ao cinema. Agora a gente dança sem sair de casa. Jogamos vídeo games, fazemos projetos de decoração na garagem e enchemos a cara.

Uma vez ele me disse, que quando dividia um apartamento com os melhores amigos, tinha dias que ele não queria nem ver os caras. Ele enchia o saco. Ele não entende como ele não se enche o saco de mim. Nem eu, para falar a verdade. E isso já faz um ano e tanto. Quem sabe daqui um tempo? Que esse tempo não venha.

A gente faz tudo isso juntos e não deixamos de ter as nossas individualidades, particularidades. Sabemos existir sem o outro, mas não queremos. E agora, não precisamos. Outra coisa que as pessoas dizem, tão sábias e cheias de palpites, é que devemos casar com o nosso melhor amigo. Ficou desnecessário dizer mais.

Estou aqui na expectativa, contando os dias para casar de novo com o amor da minha vida, o meu maior fã e incentivador e o meu melhor amigo, por tão tão mais clichê que seja. O amor é clichê. E a gente também.

12 comentários:

  1. Oi Fabiana, adorei sua história, linda! Nem tudo são flores mesmo mas o que vale é isso que você falou, esses detalhes, o saber existir sem o outro, mas não querer isso!!! Adorei seu blog e estou te seguindo!

    Bjs =^.^=
    www.noivaesposamae.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba!! Muito obrigada pelo carinho Pri! Beijão.

      Excluir
  2. Fiquei até com nozinho na garganta, de tão bonito que foi esse texto.
    Sei nem o que falar... Só que é isso que eu quero pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi, acredita qd as pessoas dizem que o que é seu tá guardado, pq um dia vai chegar. Mesmo. :) beijao, obrigada pela visita!

      Excluir
  3. Nossa que história mais linda! Me emocionei!

    Bjs

    http://chegouaminhavezdecasar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Sara, volta sempre! :) beijao

      Excluir
  4. Que texto lindo! O jeito que a gente descreve uma pessoa reflete o nosso amor por ela. O amor é lindo, e o de vcs mais ainda! Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito obrigada Dona Annita!! Estamos te esperando aqui! Beijao

      Excluir
  5. É exatamente este Jared que tu descreveu que a gente enxerga quando olha no olho do 'gringo'. E foi assim que ele conquistou todos nós - que te amamos - assim como foi isso que nos convenceu que ele merecia a chance de te fazer feliz mesmo que para isso tivesse que te levar para tão longe de nós.
    E ele que ouse não te fazer feliz, mesmo que seja por alguns segundos. E em troca, ele não merece menos do que a felicidade!!
    Afilhados lindos(por fora e por dentro)!!! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaaaaaaaaaaah! tu eh a melhor elen com H de todas! Nos te amamos muitooo

      chega logo, dia 16! <3

      Excluir
  6. A vida é cheia de clichês Fabi. Uns mais medíocres que os outros. porém, ouso dizer que há clichês que são tão sublimes em simplicidade que se sobrepõem aos outros. Não sei se você pode me entender, mas o que você chama de clichê pode muito bem passar por simplicidade de sentimentos numa boa !
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eh Dona Lana! Eu ando cheissima dos cliches da vida, acabo nao conseguindo evitar, pq como tu diz, eh simples assim e pronto! Cliche! :)

      beijo grande querida.

      Excluir